Textos

Uma Crônica Triste
Chegamos hoje do trabalho por volta das 19h20 e o marido pediu-me para não armar o alarme, pois ia ver a Jade, nossa boxer. Eu conferia o peixinho doente que ainda resiste bravamente, quando o marido entrou em casa, alguns segundos depois, meio assustado:
- Acho que ela morreu. Pega a lanterna...
Fomos conferir. Era verdade: ela jazia, fria, meio rígida, olho aberto, vidrado. Nossa cachorrinha, finalmente, perdeu a luta contra uma progressiva falência renal que lhe roubou alguns quilos e a aparência estabanada e alegre, de abanar todo o corpo na falta do rabo, cotó.
Desde o diagnóstico fizemos todo o possível por sua recuperação, mas sempre fica aquela sensação de fracasso, de havermos falhado em algo.
Pelas câmeras de segurança pudemos vê-la subir, com dificuldades, no sofazinho da varanda onde ela gostava de cochilar ao sol. Também foi possível vê-la andar abatida e fraca, macérrima, atrás do jardineiro. Momentos antes do horário de saída dele, por volta das 16h40 ela parecia pedir-lhe ajuda, cambaleante, a coluna arqueada, enquanto ele andava de um lado a outro da garagem cuidando de seus afazeres.
Inevitável lembrar daquela mulher que morreu sem socorro, num hospital, nos EUA, sob o olhar vítreo e vigilante de câmeras como as nossas. Não era um cão, que, por mais amado que seja, ainda é um cão.  Era um ser humano. E a tristeza pela morte de nosso animalzinho, ganha cores ainda mais sombrias com essa lembrança.
O jardineiro colocou a comida e prendeu a Jade às 17h. Depois não há mais imagens dela. Não é possível saber se ela partiu suavemente ou se sofreu, mas queríamos ter estado com ela, queríamos não tê-la deixado morrer assim, sozinha.
Queríamos ter brincado mais de bola, queríamos ter ido com ela até a beira do córrego onde ela mergulhava as patas para beber água ou se lançava feliz à caça dos patos selvagens. A morte se anunciava e nós achávamos que haveria mais tempo, mais um anoitecer, mais um dia, outro final de semana, em que poderíamos ficar com ela e fazê-la um pouco mais feliz. E era só um doce cãozinho.
Essa frustração de saber que agora é tarde demais é o que mais nos dói na morte da Jade. Sei que vai parecer clichê, mas, nessa hora de tristeza, só o que penso é que não devemos deixar para amanhã nenhuma oportunidade de estarmos com aqueles que amamos, de brincarmos com eles, passearmos com eles, deixá-los saber o quanto nos são queridos e especiais.
E se um dia a morte os vier buscar, seja de forma anunciada, seja inesperadamente, possamos sentir a falta e a tristeza normais da perda e da saudade, sem nunca lamentarmos pelo tanto que poderíamos ter-lhes feito mais felizes.
Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 17/07/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários