Textos



Os Loucos Sabem

 
E aqueles que foram vistos dançando
foram julgados insanos
por aqueles que não podiam escutar a música.
Friedich Nietzsche



Carlinhos Brown Junior canta lá que só os loucos sabem e eu fico pensando que, já que não sou doida, sei de nada, inocente. Igual ao Lula.
Mas, vai daí, sei que nada sei e, então, posso dizer que não sou assim, tão pouco sabida. Será que desvairei? Diz o ditado que, de médico, poeta e louco, todos nós temos um pouco. Então... Torcer para que seja só um pouco.
Lembro que, quando perguntavam se eu tinha filhos, respondia que não, que tinha juízo. Aposentei o jargão ali pelo 11º cachorro, concordando com o que dizia a veterinária, também bem pouco ajuizada: “até dez, não é patológico”.
Eu que já tive dezoito peludos e hoje mantenho quinze a duras penas, sou obrigada a concordar e, para não me tornar a louca dos gatos, isto é, dos cães, tento não adotar mais nenhum, na esperança de retornar a um patamar de sanidade. E ignorância.
Mas, isso é meio contraditório, porque o que eu já sei, sabido está. A não ser que eu tenha algum distúrbio mental que me leve ao esquecimento, e, então, embora não possa me afirmar maluca, certamente não estarei normal. Sei não... Talvez Carlinhos esteja falando de algum tipo específico de insânia. O amor, por exemplo, é delírio a ensinar coisas que jamais serão da ciência dos que nunca se apaixonaram desvairadamente. Porém, penso que não seja esta a teoria por trás de seu refrão, já que a letra da música não fala de um amor assim, tão desatinado. Sabe-se lá. Liberdade poética também é uma forma de sandice bem sabida e misteriosa.
Em assim sendo, deixo lá o bom cantor com sua insana sabedoria, e vou cuidar eu das minhas próprias maluquices e conhecimentos. Afinal, a cachorrada não é minha única insensatez.


 

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Só os Loucos Sabem
Saiba mais, conheça os outros textos:
http://encantodasletras.50webs.com/soosloucossabem.htm
Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 05/06/2017
Alterado em 05/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Peço citar a autoria "Nena Medeiros" e o endereço do texto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários