Textos


Das Mentiras que Contei

 
Das mentiras que contei
Metade, de algum modo,
Era mais do que a verdade
A outra metade, um tanto menos
Que omissão não é pecado
Ou é e aí, eu penso
Do purgatório não escapo

Das mentiras que contei
Algumas das mais sinceras
Para alimentar vaidades
Ou matar de fome angústias
E tolas preocupações
Mentiras de alma lavada
Cheias de boa intenção
Que assim como tantas almas
Das mais bem intencionadas
No inferno, arderão

Só me sobraram sem culpa
Mentiras de nome brando
Lendas, contos, ficção
E, dessas, não me embaraço
São feitas de matéria pura
As quais o leitor, amigo
Tão carinhoso comigo
Chama de literatura
 
Este texto faz parte do Exercício Criativo - Das Mentiras que Contei
Saiba mais, conheça os outros textos:
http://encantodasletras.50webs.com/dasmentirasquecontei.htm
Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 22/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Peço citar a autoria "Nena Medeiros" e o endereço do texto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários