Textos

Vendo-se Moto
 
Tá certo. Inglês é essencial, espanhol é importante.
Mas custa aprender português primeiro?
Carolina Cabrinha

 
Fotos de placas, print screen de whatsapp, facebook...
Cômicas, não fossem trágicas, essas são provas contundentes de que existe um País paralelo de gente que fala, ainda que o faça errado. São pessoas que precisam se comunicar e, de uma forma ou de outra conseguem fazê-lo.
E não é apenas em manifestações populares que se assassina a gramática, como dizia o Paralamas do Sucesso. Veículos respeitados de comunicação escrita ou grandes agências de publicidade às vezes também nos brindam com errinhos, aqui ou ali. Isso quando não são erros crassos, desses que nos arrepiam até a espinha como se a morte por aqui houvesse passado.
Se, na língua escrita, a ocorrência de erros é frequente, na falada, então... Uma amiga respondia ao “Quem é?” do interfone com um “É ieu...” que me dava ganas de dar-lhe umas gramaticadas na cabeça.
Falar e escrever errado não é exclusividade de pessoas com baixo nível de instrução. Conheci engenheiros e advogados que se expressavam como trogloditas e um pescador que não faria feio diante de Machado de Assis.
Alguns estados brasileiros, pelo modo como se deu sua colonização, são famosos pela qualidade da língua falada lá. Já em outros, torna-se difícil crer que alguém, algum dia, tenha ouvido falar em Aurélio Buarque de Holanda.
Existem atualmente 200 línguas ativas no Brasil. 188 delas são de origem indígena e 12, estrangeira. Na época do descobrimento, 1078 eram as línguas faladas por aqui. Obrigados à convivência com o homem branco, os indígenas que não foram exterminados, acabaram fundindo suas línguas e culturas à nossa. Os estrangeirismos vieram complicar ainda mais essa Babel e, tornando-se sinônimo de modernidade e profissionalismo, ganharam as ruas e os discursos, provando que a língua é um organismo vivo, sujeito às influências de seu meio.
Felizmente, nossa compreensão dela evolui no mesmo ritmo. Prova disso é você entender as frases abaixo:
"Cincalicate é dez!"
"Véi! Eu tava no bagaço, véi, aí o vééééééi entrou na pista, véi! Quase que eu pego o véééééi, véi."
"Sfeel Serve - 5,00/kg"
"Vendis puldo, rotvale, cheetus"
Entendeu, né? Não!? Nem eu...

Publicado no Alô Brasília em 13/11/2015
Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 17/11/2016
Alterado em 17/11/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Peço citar a autoria "Nena Medeiros" e o endereço do texto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários