Textos


Parece que foi Ontem

Parece que foi ontem que você chegou aqui e, ao ver seus olhos tristes, roubei seu nome da música do Toninho Horta. Por ironia, todo o resto de você esbanjava alegria.
Parece que foi ontem que eu tampava se
u pratinho com as mãos, forçando-lhe a comer entre meus dedos, para não se engasgar de tanta esganação.
Ontem, lhe ensinei a buscar a bola e, ao deitar, fui acordada pelo cronch cronch que faziam os seus dentinhos nos meus óculos de grau...
Parece que foi ontem que você aprendeu a usar o jornal para fazer suas necessidades, quando ainda morávamos no apartamento. Parece que foi ontem que ríamos vendo você ir direitinho até lá, subir no jornal, cheirar bem em busca do local adequado e, então, recuar a bundinha até a borda do jornal e fazer seu cocô no piso.

Foi ontem a viagem à praia onde você se divertiu tanto brincando na areia?
Ah, meu amor... Cada pequeno detalhe de sua vidinha tão curta, desde que você nos deixou insiste em passar por nossas cabeças assim, trazendo lágrimas aos olhos e muita saudade: a forma como você se impunha sobre os outros cães, alguns bem maiores que você, fazendo-se respeitar por todos...
Sua eterna implicância com o jardineiro e com dois dos meus sobrinhos, seu jeitinho de sentar como gente e de se recostar no braço do sofá para dormir, as patinhas da frente entrelaçadas... A corridinha até o closet sempre que abríamos gavetas. Nunca descobrimos a razão dessa sua curiosidade....

Difícil acreditar que você não virá mais correndo ao meu encontro, quando eu me abaixar de braços abertos para você. Triste saber que não irá mais nos enlouquecer com seu choro, sempre querendo mais um pouquinho de comida... E não poder mais contar aos amigos o quanto você era educadinha, pois podíamos deixar nossas bandejas com lanches ao seu alcance e você não mexia.
Acredita que ainda levanto da cama com cuidado para não pisar em você, que adorava dormir esparramada no meu tapetinho?
Minha gordinha linda... Foram quase oito anos de muito amor e alegria. Broncas, risos e a eterna preocupação com sua saúde frágil, seus problemas nos olhos, seu excesso de peso.
Que, no local onde você está agora, haja petiscos em abundância e nenhuma balança e que alguém possa brincar de bola com você até eu chegar.
Por favor, continue sendo essa criaturinha tão linda e doce que nos seduziu para todo o sempre e, quando possível, venha fazer uma visita à Anita que está inconsolável de saudades.

Amo você e, se esses oito anos ao seu lado voaram, é porque cada minuto deles valeu muito a pena.
 
 
"Velha amiga, eu volto à nossa casa
Já não te encontro alegre, quase humana
Corpo pintado de branco e marrom
E uma tristeza no olhar
Como se conhecesse dor milenar
Já não te encontro, à espera, ao pé da porta
Correndo viva e bela ou descansando
Tanto vazio por todo lugar
Tanta tristeza sinto ao chegar
Ao nosso território de brincar"
(Diana - Fernando Brandt e Toninho Horta)

 
Homenagem à minha pequena Diana, meu bebê gordo, meu grande amor.
28/01/2004 - 20/01/2012

*****

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Parece que Foi Ontem
Saiba mais, conheça os outros textos:
http://encantodasletras.50webs.com/parecequefoiontem.htm

Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 23/01/2012
Alterado em 23/01/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Peço citar a autoria "Nena Medeiros" e o endereço do texto.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários